Você amamentou?

16:35

Hoje, 1° de agosto, é o “Dia da Amamentação”. Para “comemorar” a data, vou contar-lhes a minha experiência com amamentação.

semana da amamentação blog Mamãe de Salto ==> todos os direitos reservados

Primeiramente preciso falar: cresci ouvindo minha mãe falando que ela nunca amamentou, nem eu nem minha irmã. Com ambas, foram 15 dias de muito sofrimento, porque ela NÃO tinha leite, NÃO tinha seio, NÃO tinha bico e a gente choraaaava de fome. Minha irmã tomava leite de vaca com maizena e eu já fui mais chata, até leite de cabra minha mãe ofereceu. Nenhuma mulher da minha família – bisavó, avó e tias – amamentou os filhos. Tinha consciência de que a amamentação jamais faria parte da minha maternidade.

Quando engravidei, conversei com o meu médico sobre esse histórico familiar. Ele me disse que todas as mulheres têm leite, agora se elas querem amamentar é outro assunto. Não é uma coisa fácil amamentar, requer cuidados, as vezes sofremos, sangramos, mas precisamos tentar. E aí está um grande “erro”. Ninguém nos fala disso. Nos falam que é necessário, que é um ‘ato de amor’, mas ninguém nos fala que é difícil. Foi apenas na maternidade que fui aprender amamentar.

Poucos dias antes do nascimento da Sophia, notei que estava saindo um liquido raro, bem claro do meu seio, tive certeza, serei diferente.

Nunca planejei ter parto normal. Nunca sonhei que o único alimento da minha filha nos primeiros seis meses de vida fosse leite materno. Nunca fui do tipo que queria reviver os tempos antigos. Não que seja a favor da super modernidade, mas sabia do que eu teria pela frente.  

Quando Sophia nasceu, enquanto estava na sala de recuperação, as enfermeiras colocaram Sophia em meu colo para a primeira amamentação, aquela da primeira hora de vida. Me lembro muito bem desse momento. De tão trágico, é cômico!

Eu estava sozinha na sala de recuperação, meio dopada da anestesia, meio fora de mim pela reviravolta que acabara de acontecer na minha vida, estava com minha filha no colo, não sabia se chorava, dormia, conversava com aquele bebê, um misto de inúmeras e indescritíveis sensações. A enfermeira colocou Sophia no meu colo, abriu o avental e “encaixou” Sophia no meu seio. Sophia se mexeu, procurou meu peito e parou. Como assim parou? Não sei, ela ficou imóvel! Que desespero. Matei minha filha. “Moça, moça, socorro, eu matei minha filha!! Socorro”. A enfermeira veio correndo “O que foi mãe?”; “Matei minha filha, ela estava aqui mamando e parou!”. Sério, imaginem a cena: eu estava deitada, com o braço esquerdo “imóvel” por causa da medicação, o braço direito envolvendo Sophia, num quarto, sozinha, depois de passar pela primeira intervenção cirúrgica da minha vida. Não sabia o que fazer. A enfermeira chegou muito calmamente, e falou “Calma mãe, ela está dormindo. Os bebês nascem com uma reserva de alimento que pode durar horas. Ela só está dormindo. Vamos para o quarto.”. Meu coração voltou a bater e eu pude olhar pela primeira vez minha filha.

No quarto, as visitas foram constantes e, mais uma vez, a amamentação não foi tããão natural, tãããão fácil. Era um espetáculo. Todos queriam assistir, todos queriam presenciar. Afinal, Sophia procurava um peito que não existia, uma bico inexistente e um leite que não descia. Tadinha.

Foi somente na manhã do dia seguinte que uma enfermeira muito abençoada me “ensinou” a amamentar. “Mãe, segura a criança assim, puxa o bico assim e pronto.” HÂ?!?!? Mais uma vez um desastre. Agora era hora de respirar fundo e amamentar. Sophia brincava de mamar, ficava hooooras fingindo que mamava. Eu achei que era assim que estimulava o leite a descer. Só consegui um machucado. Na noite do segundo dia de vida, a maternidade mesmo deu “leite artificial”. Ela gostou.

Fiquei na casa da minha mãe por 50/60 dias. Em todos, havia sempre alguém comigo, seja o Ramon, meus pais, minha irmã, amigas ou familiares do Ramon. Em todos os momentos de amamentação, era um show. E havia um ritual. Primeiro trocava a fralda de Sophia; Depois eu tirava as conchas de amamentação (as quais eu carinhosamente chamava de Jean Paul Gaultier, afinal eu me sentia a Madonna com aqueles sutiãs cônicos) e alguém prontamente as pegava para lavar; e alguém sempre estava por perto para marcar os exatos quinze minutos de cada peito. Quando faltavam cinco minutos, alguém ia para a cozinha preparar o leite em pó; Retiravam Sophia do meu colo e a amamentavam, enquanto isso, eu me refazia.  

Com todo histórico familiar, já tinha consciência que eu não amamentaria, da mesma maneira que parto normal seria impossível. Muitas pacientes da minha mãe falaram que não se sentiam totalmente mães porque não haviam amamentado ou não tinham conseguido ter seus filhos de parto normal. Desculpem, mas isso não mudou em nada minha realização como mãe. Sou a melhor mãe que posso ser. Faço o meu melhor diariamente.

Amamentei Sophia por dois meses. A cada três horas amamentava por quinze minutos cada peito e depois oferecia leite em pó. Quando Sophia completou dois meses, meu leite secou. Meu bico sangrou, usei aquela concha ‘maravilhosa’, acordava de madrugada para oferecer o meu leite. Não era suficiente. Mas eu tentei. Eu fiz.

Para aquelas que amamentam por dois anos, meus parabéns! Para aquelas que não tiveram leite, tudo bem. Para aquelas que, como eu, tentaram, valeu! No dia a amamentação, vamos refletir as prioridades da maternidade. Tanto se falou, brigou e comentou sobre o “mamaço”, mas será que vale mais dez minutos de peito e uma hora na frente do computador? Será que vale mais um leite na mamadeira com muito carinho do que um peito assistindo televisão? 

VEJA MAIS POSTS SOBRE

6 comentários

  1. Entendo isso que vc fala,graças a deus tive leite em ambas gestaçoes,nunca fui o tipo de pessoa que tinha seio nem bico,por isso achava q nao ia conseguir,mas fiz uma otima preparaçao e graças a deus quando eles nasceram logo pude amamenta-los,fazem quase 3 anos que amamento,mas nao me sentiria menos mae se nao tivesse amamentado,pelo contrario...As pessoas acham que amamentar é so dar o peito e pronto mas nao é,as vezes é doloroso,as vezes nao desce o leite inumeras coisas podem acontecer,mas nenhuma mulher é mais ou menos mae por amamenta!beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Juliana Dalcanale1 de agosto de 2011 21:55

    Má, eu entendo muito bem você.
    Minha mãe sempre contou que me amamentou até os 9 meses e que tinha muito leite, eu mamava de 2 em 2 horas.
    Quando estava no final da gravidez e mesmo na maternidade meus seios ficaram enormes. Até empedraram, tive quase a tal da mastite. Tinha plena certeza que eu poderia amamentar vários bebÊs e que amamentaria por meses de tão grandes que estavam.
    Puro engano. Tive pouco leite, e como você tive que complementar com o leite em pó. Para mim foi muito difícil. Eu queria muito ter amamentado somente no seio. Com dois meses minha Mariana resolveu que nao queria mais mamar no seio. Ela simplesmente gritava quando o via. Rezei muito para conseguir amamentar, mas não deu.
    Posso dizer que eu sou uma mãe 100% disponível. Eu fico o dia inteiro com ela. Sem babá, sem creche. Só eu. Garanto que isso vale muito mais que so amamentar e deixar com babás. Mãe é mãe, independente de amamentar ou não. Esse papo de aumentar o vinculo com o filho é pura balela. Maior vínculo que eu tenho com a Mariana nenhuma outra mãe que amamentou tem.
    Beijossss

    ResponderExcluir
  3. Má, entendo você! Venho de uma família que também amamentou muito pouco seus filhos... Tenho tias que não entendem e não aceitam que uma criança acorde durante a madrugada para mamar, seja no peito ou na mamadeira (dão até mamadeira com água para a criança se conformar que não pode mamar). Ouvi minha vida inteira que leite materno é ralo, que não sustenta, que uma boa mamadeira de araruta faz a criança dormir lindamente a noite toda! Não as condeno, pois sei que não foram instruídas para amamentar, até hoje, nem nós somos, né?
    Sempre ouvi a lenda de que mulher com pouco peito não produz leite, então sofri a gravidez inteira achando que meu filho não amamentaria... Ledo engano! Pouco peito e muito leite! Sofri, doeu, as enfermeiras não me ajudaram muito e na primeira noite em casa o Lucas chorava no berço e eu na cama! Liguei desesperada para meu médico que passou uma pomadinha que foi a salvação! Sofri mais ainda para amamentar porque não fiz nenhuma preparação, tinha pouco bico num seio e nada no outro. Mas superei e o Lucas mamou exclusivamente até os 4 meses, depois fomos até os 7 meses e meio. Eu nem acreditei que poderia tanto...
    Li que vc amamentava a Sophia 15 minutos em cada mama... Amiga, já passou, mas a criança tem que esvaziar a mama, todinha, depois é que se oferece o outro peito. O leite gordo, que sustenta está no final, esses primeiros 15 minutos tem mais água e menos gordura! Talvez sua amamentação tenha sido curta por falta de instrução. Mas é o que acontece com a maioria das mulheres... querem que amamentemos, mas não nos explicam como, nem auxiliam nos primeiros e críticos dias e depois nos condenam por não termos conseguido!

    ResponderExcluir
  4. Oi Marcella,
    Eu tb sofri na amamentação desde que a enfermeira colocou meu bebê no meu peito na sala de recuperação do parto, não tinha nada, e ele só chorava...Meu bebê chorou 24 horas sem parar e nada de leite... Foram quase três meses de muita persistência e paciência (mamilo rachado). mas depois que passou essa fase de adaptação tudo ficou mais fácil. E hj, 9 meses depois, quem sofre sou eu em pensar que tenho que desmamá-lo um dia... Mas concordo que temos de ir até onde vai o nosso limite.
    Um grande Beijo para vc e Sophia!
    Fabrisia

    ResponderExcluir
  5. Amiga, amamentar é muuuuuito difícil mesmo! Cada mulher tenta até onde pode! Seja o quanto dure a amamentação vale a pena cada gotinha de leite materno. Já contei minha história de mastite e amamentar com um peito só. Meu histórico familiar tb não era bom: minha mãe secava com 3 meses e minha Irma só amamentou um mês ! Bati o recorde, pois com 1 peito só e mais mamadeira fui até 11 meses! Mas foi muito difícil ! Mesmo quando quase não tinha mais leite e praticamente era só mamadeira eu deixava o Henrique sugar, nem que fossem 2 min., pois achava que podia ter anticorpos. O importante é fazer o melhor que podemos e acho que conseguimos! Bjs

    ResponderExcluir
  6. OI Má, como eu te disse por telefone eu adorei o seu post. Tinha tanto para comentar que foi mais fácil te ligar.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Obrigada! Seu comentário é muito importante para o crescimento do blog. Para quaisquer dúvidas e sugestões, mande um email para contato@mamaedesalto.com

Beijos, Má

Importante

Importante

Seguidores

© MAMÃE DE SALTO - 2016. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.