Pin It button on image hover

Eu NÃO quero ver o futuro repetir o passado!

Infelizmente, nunca fui uma aluna exemplar. Durante toda minha vida escolar, tinha como bom tirar notas “na média” ou “acima da média”. Nunca me importei ou desejei ser a melhor aluna, aquela conhecida como CDF, para mim, o importante era ser reconhecida #sinceridademodeon!

Quando entrei na faculdade, mais uma vez não dei valor aquela oportunidade. Quando precisava escrever matérias, alguns me dedicava outros fazia bem sem vontade; matéria para rádio eu odiava e para a TV sempre desejava ser pauteira, mas sempre era escalada para ser repórter. Mas havia uma aula que me fascinava, psicologia. Foi aí que a sementinha da vontade foi plantada. Claro que com as histórias do consultório, ia pensando e traçando alguns rumos, sempre tentei entender porque as pessoas são tão diferentes, e mais, algumas pessoas têm o “poder” de agir de maneiras diferentes em situações semelhantes, tipo “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. E isso sempre mexeu comigo.

Na gravidez tudo se tornou tão claro/escuro; fácil/difícil; longe/perto; real/virtual ... e decidi que faria psicologia. Ainda não posso, falta tempo e muuuuito $$$$$, mas calma pessoal, se Deus quiser (e Ele quer) na metade do ano que vem eu começo. Enquanto julho de 2012 não chega, eu fico lendo e pesquisando sobre as pessoas.

Hoje, recebi da minha mãe um email que, achei simplesmente maravilhoso. Escrito por uma psicóloga, ele fala sobre aquilo que sempre coloco em discussão aqui no blog “O que queremos para os nossos filhos?!?”.

“Fui ver o filme Cazuza há alguns dias e me deparei com uma coisa estarrecedora. 
As pessoas estão cultivando ídolos errados.. 
Como podemos cultivar um ídolo como Cazuza?
 

Concordo que suas letras são muito tocantes, mas reverenciar um marginal como ele, é, no mínimo, inadmissível. Marginal, sim, pois Cazuza foi uma pessoa que viveu à margem da sociedade, pelo menos uma sociedade que tentamos construir (ao menos eu) com conceitos de certo e errado.        
      
No filme, vi um rapaz mimado, filhinho de papai que nunca precisou trabalhar para conseguir nada, já tinha tudo nas mãos. A mãe vivia para satisfazer as suas vontades e loucuras. O pai preferiu se afastar das suas responsabilidades e deixou a vida correr solta. 


São esses pais que devemos ter como exemplo? 
Cazuza só começou a gravar porque o pai era diretor de uma grande gravadora.



Existem vários talentos que não são revelados por falta de oportunidade ou por não terem algum conhecido importante. Cazuza era um traficante, como sua mãe revela no livro, admitiu que ele trouxe drogas da Inglaterra, um verdadeiro criminoso. Concordo com o juiz Siro Darlan quando ele diz que a única diferença entre Cazuza e Fernandinho Beira-Mar é que um nasceu na zona sul e outro não. 

Fiquei horrorizada com o culto que fizeram a esse rapaz, principalmente
por minha filha adolescente
 ter visto o filme. Precisei conversar muito para que ela não começasse a pensar que usar drogas, participar de bacanais, beber até cair e outras coisas, fossem certas, já que foi isso que o filme mostrou. 
Por que não são feitos filmes de pessoas realmente importantes que tenham
algo de bom
 para essa juventude já tão transviada? Será que ser correto não dá Ibope, não rende bilheteria?  Como ensina o comercial da Fiat, precisamos rever nossos conceitos, só assim teremos um mundo melhor. 


Devo lembrar aos pais que
 a morte de Cazuza foi consequência da educação errônea a que foi submetido. Será que Cazuza teria morrido do mesmo jeito se tivesse tido pais que dissessem NÃO quando necessário?  Lembrem-se, dizer NÃO é a prova mais difícil de amorNão deixem seus filhos à revelia para que não precisem se arrepender mais tarde. A principal função dos pais é educar... Não se preocupem em ser 'amigo' de seus filhosEduque-os e mais tarde eles verão que você foi à pessoa que mais os amou e foi, é, e sempre será, o seu melhor amigo, pois amigo não diz SIM sempre.' 
                     Karla Christine 
                   Psicóloga Clínica

Meu bem mais precioso

 Eu não quero ver o futuro repetir o passado!

Ahhhh ... hoje é um dia muito especial!! Estamos na "Quarta da Colaboradora" no site Recanto das Mamães Blogueiras!!! Convido à toooodas para nos prestigiarem!! 

7 comentários :

  1. Nossa Marcella, eu sempre falo isso com meu marido, que dizer não é uma prova de amor, que permissividade demais não é demontração de amor, pelo contrário!!!

    Adorei o texto!!

    Bjuuss
    *Tem post novo no meu blog novo hehehe!!

    ResponderExcluir
  2. É Ma temos que tomar cuidado com o que mostramos a nossos filhos!!!
    Gosto da musica do Cazuza, mas dai a achar ele um exemplo? Não!!! nunca sequer me passou pela cabeça!!!


    bjus...
    http://amaecoruja.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Ola Marcella, ótima abordagem!! Nos dias de hoje, com os pais trabalhando fora, fica como recurso de amenizar a ausência, esta facilidade em conseguir as coisas, sempre permitindo mesmo quando não necessário. Pelo menos é uma realidade daqui, e um conceito errado, na minha forma de pensar. Vamos educar com valores sinceros e éticos. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Amiga, concordo que não devemos ser tão permissivos com os filhos. As crianças já nascem sabendo quem vai dominar e quem vai ser dominado! Se a mãe diz sim pra tudo porque é mais "cômodo" do que ouvir choradeira, com certeza vai colher os frutos dessa comodidade no futuro!

    Beijinhos
    Saudades de você e da princesa

    ResponderExcluir
  5. Ótimo post!
    Super importante dizer não. Concordo plenamente que os conceitos de idolos devem ser revistos, tanta gente boa pra idolatrar e fazer filme, acho que não pode é dar ibope pra esses assim. Adorei!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  6. Preocupo-me demais com a educaçao, pois sempre creci vendo as pessoas elogiarem meus pais de como educaram bem 6 filhos e tivemos muitos NAO!!! Amas é dizer não e dar limites... Cris

    ResponderExcluir
  7. Amiga, você deve fazer psicologia mesmo! Tem tudo a ver com você ! Nao deixe passar muito tempo! Quanto mais passa o tempo, vamos acomodando e dá uma preguiça danada de voltar a estudar. Estudei Direito, mas tb gosto muito de psicologia. Mas morro de preguiça de voltar a estudar. O jeito é continuar escrevendo, mesmo sem um conhecimento profundo . Sobre esse texto do Cazuza, adorei! Concordo totalmente! Nao li o livro , mas pelo filme tenho essa percepção de que os pais erraram ... Pelo jeito eles nunca diziam nao! Mimado sim! Poderia ser que tendo pais mais rígidos ocorresse o mesmo final trágico, mas às vezes o destino poderia ser outro. Admiro o Cazuza como compositor , mas nao como pessoa e nao como artista. Para mim artista é mais do que escrever letras bonitas. Tem que passar uma mensagem de vida! Amiga, obrigada pela forca! Estarei sempre por aqui! Vou diminuir o ritmo porque virou um vicio e estava me estressando consultar um monte de blogs . Precisamos tomar cuidado com tudo o que escraviza! Beijos e bom feriado

    ResponderExcluir

Obrigada! Seu comentário é muito importante para o crescimento do blog. Para quaisquer dúvidas e sugestões, mande um email para contato@mamaedesalto.com

Beijos, Má

Copyright © 2013 Mamãe de Salto - Layout Personalizado por Giselle Carvalho