Meus sentimentos!

15:41

Houve um tempo em que eu me orgulhava (ai que vergonha)  por nunca ter perdido nenhum membro da família, amigos e/ou conhecidos. Não sabia nem como se portar (se assim posso dizer) num velório. Para mim é tudo muito igual aos filmes ou telenovelas, todos de preto, olhos escuros, bonito e pomposo.

Trabalhando no consultório com minha mãe, ao longo do tempo fomos perdendo alguns pacientes, alguns pela idade outros por doença, mas mesmo assim, em nenhum enfrentei e vivenciei o velório e enterro, era sempre apenas a notícia.

Eu não tenho o avô paterno, que faleceu muito antes de eu ser projeto na vida dos meus pais. Papai Ramon perdeu o pai quando tinha apenas três anos e muito tempo depois o avô paterno e uma tia-avó que era como uma segunda mãe. E eu sempre perguntava para o papai como é a sensação, o sentimento de se perdeu alguém, de saber que nunca mais verá aquela pessoa, de lembrar de momentos, ir na casa e aquele ente querido não estar mais lá. Ele, de poucas palavras, dizia que era estranho, porque chega um momento que a gente se acostuma com aquilo, que não chora quando pensa. Outra coisa que eu questionava era o que fazer, o que falar quando vamos à um velório. Tá, eu sei, sou meio boba mesma, mas é que sabia que algum dia eu enfrentaria essa situação.

O tempo foi passando, minha avó materna adoeceu, meu avô materno adoeceu, mas em nenhum momento os perdi. Estão doentinhos, mas ainda vivos! Mas para nossa infeliz surpresa, na véspera de Natal do ano passado, o avó do papai faleceu, assim, do nada! Ele sempre teve problemas na coluna e já havia se submetido a várias cirurgias, mais daí pensar em morrer, jamais! Quando ele ia para o centro cirúrgico ficávamos apreensivos, mas depois, era festa! A causa mortis foi o excesso de comprimidos para analgésicos que ele tomava era tão grande e tão forte de causou uma úlcera intestinal, como ele não sentia quase dor tal era a ingestão de analgésicos, aquilo foi aumentando e piorando até dar hemorragia interna. Foi um caos total, se não bastasse ser Natal, a avó materna do papai, esposa do avô faz aniversário no dia vinte e cinco de dezembro! Pense tristeza total?! Foi nosso Natal!

Mas enfim havia chego o dia de eu infelizmente experimentar o tal do sentimento e da sensação do velório! Como ele foi um homem importante na cidade natal dele, o enterro que começou as cinco da tarde foi madrugada a dentro e só terminou na manhã do dia seguinte! As pessoas chegavam aos velório as duas, três, cinco horas da madrugada para abraçar a família e dar o último adeus! Foi aí que descobri que as pessoas te confortam com palavras como “meus sentimentos”.

Ninguém estava de preto nem de óculos escuros.

O novo ano chegou e com ele a certeza de que coisas novas e boas aconteceriam.

Num domingo a noite, estava na internet quando recebo a notícia de que um grande amigo da escola havia sido assassinado. Nossa que baque, que desespero! Não existe certeza do motivo, se assalto, briga, execução ... mas saber que um amigo foi assassinado é muito horrível. Quando soube da notícia já havia sido velado e enterrado o corpo, mas eu, papai e um amigo querido fizemos questão de visitar o túmulo como uma homenagem. Mas não precisei falar “meus sentimentos” para ninguém!

Um semestre quase se passou quando novamente revivi a sensação da perda, infelizmente papai perdeu sua avó paterna na última sexta-feira, vinte e dois de junho. Sabíamos que ela estava muito fraca, já hospitalizada e que os médicos já haviam dito que eles estavam fazendo o possível para prologar os dias de vida dela, falei até AQUI, no meu último post no Recanto das Mamães Blogueiras sobre um episódio que vivi com essa avó do papai. Mais uma vez fui confortada pelas palavras “meus sentimentos”.

Tanto o meu texto no Recanto das Mamães Blogueiras que foi antes de receber a notícia, como hoje, minha reflexão é sobre aquilo que queremos para as nossas vidas. Em todos os casos que vivi a experiência da perda, confesso que a única que era esperada era da avó paterna, mas nada era certo, afinal de contas, ela poderia muito bem se reestabelecer e viver mais alguns dias, meses, anos! Mas em um segundo, em alguns minutos, elas se foram e jamais estarão conosco.

O velório do avó materno do papai durou dezessete horas, e eu estive lá para ter certeza que em nenhum momento o salão ficou vazio, sempre tinha muita gente! Eu não acreditaria se alguém me contasse que pouco antes do caixão ser fechado haviam muito mais do que trezentas pessoas! Tinha mais gente que em muita festa, sem dúvida nenhuma. Ele é lembrado até hoje pelo homem honesto, alegre e amigo, bom pai, avô e bisavô.


Meu amigo foi morto a tiros perto de casa, as notícias que lemos sobre o caso são as piores possíveis. Ele não tinha nem trinta anos, morava com uma moça e não tinha filhos.

A avó materna do papai faleceu quase um mês antes de completar oitenta e sete anos! Construiu um patrimônio admirável, teve apenas um filho que faleceu aos trinta e cinco anos de idade, perdeu o marido há uns dez anos e desde esta perda foi perdendo o gosto pela vida. Quando a conheci, ela era ativa, falante e sempre muito bem disposta. Quando o marido faleceu, um pouco dela se foi e apenas os bens materiais importavam. Há muitos anos, ela e o marido construíram um supermercado e quando este fechou muitas coisas ficaram para eles, inclusive detergente. Passaram-se anos e mais anos e eu fui morar com o papai; numa das nossas visitas à ela, nos presenteou com alguns litros de detergente e finalizou “Levem, assim economizam”. OK, entendo que economizar se faz necessário, mas pensar que eles detergentes deviam estar ali há décadas! E mais, era extremamente controlado o estoque, se houvesse baixa na quantia, era rapidamente observado! Desta vez, do início do velório ao enterro não foram sete horas e se haviam cinquenta pessoas era muito.


Hoje, graças a Deus vivo diariamente o dom da vida, ter uma filha que é a razão de eu ser feliz e de desejar viver intensamente cada dia mais e mais. Não que eu seja a favor de se viver cada dia como se fosse o último e por isso viver loucamente e inconsequentemente ... estou falando de dar valor a aquilo e a quem realmente se deva dar. Ficar o stress do trabalho, da rotina, da vida é muito difícil, mas não impossível! Aproveitar melhor os dias de sol e não xingar tanto os dias de chuva, é melhor pensar que as flores precisam de um pouco de água para colorir nosso dia! Quem sabe parar de xingar tanto no trânsito, mas aproveitar e conhecer lojas e lugares novos enquanto estamos parados! Ao invés de se irritar com o dia de faxina em casa, pensar que fica tão mais linda nossa casa quando cheirosa e organizada, dá até vontade de chamar os amigos e familiares para uma noite de pizzas e conversas!


A vida pode ser facilmente comparada com uma árvore! Nascemos, crescemos e morremos, #fato, mas como ultrapassamos cada etapa da vida é o que realmente importa! Se crescemos, se nos permitimos ser hospedeiras de parasitas que sugam nossa energia, se nos destacamos perante as outras e se damos frutos. Há quem diga ainda que "árvore podre, fruto podre". Queremos ser que tipo de árvores?! Queremos que nossos filhos sejam que tipo de fruto?! 

Com a perda da avó paterna do papai confesso que enxerguei que a vida é muito mais do que apenas viver, é preciso aprender, compreender, entender ... é aproveitar realmente, é viver intensamente os meus sentimentos. 

Queria muito agradecer a todos que me apoiaram em mensagens e orações! Com certeza, foi menos difícil com amigos queridos do nosso lado! Muito obrigada!

VEJA MAIS POSTS SOBRE

16 comentários

  1. Má lindo, lindo seu post amiga, mesmo num momento assim, o post esta maravilhoso, valores, sentimentos que vamos aprendendo dom o tempo. E sentimos muito pelo luto, que Deus conforte o coração de todos. Ela virou uma estrela, estará todos os dias brilhando pra vocês. Beijos linda
    Cléo

    ResponderExcluir
  2. "a vida é muito mais do que apenas viver, é preciso
    aprender, compreender, entender ... é aproveitar realmente, é viver
    intensamente os meus sentimentos". Lindo. Sempre digo que A VIDA É HOJE. Aproveito tudo, fotografo tudo, não perco nada. Porque tem coisas que perdemos sem querer, sem esperar e etc.... Coragem e nosso carinho a vcs. a vida é muito mais do que apenas viver, é preciso
    aprender, compreender, entender ... é aproveitar realmente, é viver
    intensamente os meus sentimentos.

    ResponderExcluir
  3. É, isso mesmo! A vida passa num instante e devemos nos importar mais com o que realmente vale a pena. Parabéns pelo post. Bjo
    www.simplesmente-mamae.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Marcella primeira vez que venho aqui, e achei muito legal seu texto. Realmente perder alguém não é fácil, perdi minha avó materna aos 12 anos éramos muito ligadas, mas no início eu pensava que ela tinha ido viajar e voltaria logo, mas com o passar dos anos vi que não acontecia isso, tempos depois vi que eu queria acreditar que ela voltaria, mesmo sabendo que aquilo não era possível, enfim coisas da cabeça da gente, formas que encontramos para superar as coisas. Segui para voltar aqui e poder acompanhar seu blog, gostei muito, Beijos Karina
    http://kcamaeartesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. É difícil, né? Perder alguém nunca é fácil
    Lindo seu post, amiga
    Beijos!
    Lilia

    ResponderExcluir
  6. Muito bom o post! Eu nunca perdir alguem, soh quem sabe a dor da perda eh quem perdeu! Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  7. oi...gostei mto do post!!!

    eu perdi meu pai quando tinha 6 meses de idade, entao nao sei a sensação que é ir ao um velorio e tals, mas o sentimento de perda e mto ruim!!!

    bjus

    ResponderExcluir
  8. A pior coisa do mundo é perder alguém muito querido. Depois que eu perdi uma tia com quem morei um tempo, minha perspectiva de vida mudou totalmente, assim como a sua. Também senti esse medo de o velório ficar vazio, já que ela não tinha filhos nem marido. É um sentimento meio sem fundamento, se vc pensar bem. Afinal, aquele corpo sendo velado não é nada, comparado aos dias felizes que minha tia (ou seu avô) tiveram com pessoas especiais que também já podem ter partido.
    Espero que demore muito tempo até vc ter que passar por esse sentimento novamente.
    Um beijo,
    Marília (www.minileitores.com)

    ResponderExcluir
  9. É amiga, perder alguém é realmente horrível.
    Ainda hoje estava conversando com minha mãe e ela começou a chorar por causa da minha avó. Acho que a gente nunca comsegue superar a morte de alguém. O que acontece é que nosso coração apenas aceita a situação já que não tem outro remédio..
    Eu sinto muito por suas perdas e desejo de coração que você não passe por isso tão cedo.
    Fiquem bem e se precisar de qualquer coisa, me procura...

    ResponderExcluir
  10. Oi Marília!


    Realmente é um momento delicado e um sentimento inexplicável! Algo que jamais queremos sentir e passar novamente né?!
    As coisas já estão melhores ... mas sei que no dia que for na casa da avó do marido, com certeza esse sentimento triste pode querer voltar, mas serei forte para não deixar!


    Beijos, Má

    ResponderExcluir
  11. Oi querida ... eu sinto muito pela perda do seu pai tão pequena! Imagino que não deva ser fácil até hoje!


    Se precisar, estou sempre por aqui!


    beijos, Má

    ResponderExcluir
  12. Obrigada querida!


    SInta-se feliz então, porque é muito ruim!


    Beijos, Má

    ResponderExcluir
  13. Obrigada pelas palavras! O apoio e carinho de amigas numa hora dessas é fundamental!


    Beijos, Má
    monmaternite.com

    ResponderExcluir
  14. Oi Karina, muito obrigada pela visita, espero que essa seja a primeira de muitas visitas!


    A morte é um sentimento de vazio, até um sentimento de fraqueza eu diria! Eu não era muito próxima da avó paterna do marido, mas sei que ela fará falta nas nossas vidas!


    Beijos, Má

    ResponderExcluir
  15. Oi querida ... me emocionei com seu comentário!


    Sabe, quando venho escrever um texto, penso que preciso ir muito além do que apenas contar uma história, encher de palavras sem sentido. Eu preciso fazer alguém parar e pensar, acho que herança do jornalismo! E com seu comentário me realizei, sei que fiz uma pessoa parar, ler e pensar!


    Muitíssimo obrigada =)
    Beijos, Má

    ResponderExcluir
  16. Cléo amiga querida, muito obrigada pelas palavras! O apoio de uma amiga é tudo o que preciso neste momento!


    beijos, Má

    ResponderExcluir

Obrigada! Seu comentário é muito importante para o crescimento do blog. Para quaisquer dúvidas e sugestões, mande um email para contato@mamaedesalto.com

Beijos, Má

Importante

Importante

Seguidores

© MAMÃE DE SALTO - 2016. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.