O dia em que a Terra parou!

21:52

“O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.” 
Salmos 30:5 

Foi mais ou menos essa a sensação que tive quando descobri que estava grávida, de que a Terra havia parado de realizar os movimentos de translação e rotação, que o tempo havia parado e eu estava congelada, inanimada, sem condições de fazer alguma coisa. 

De todas as coisas que já aconteceram na minha vida, e posso garantir que já passei por muitos momentos delicados, segurar aquela tirinha de papel mergulhada no meu xixi que estava num copinho descartável e vendo a tira ficar rosa, aparecer um risco e depois de cinco e longos minutos aparecer mais um risco e por lá ficarem foi o momento mais inesquecível da minha vida, embora naquele momento a única coisa que eu desejasse era esquecer o fato de que eu estava grávida. 

Nesse primeiro momento, MINHA vida parou porque eu me vi na seguinte situação: eu estava com vinte e um anos, solteira –não era casada nem noiva, tinha um namorado-, estudando jornalismo numa universidade particular entre tantas outras coisas desfavoráveis para aquele momento. Foi então que eu decidi que a partir daquele momento eu não teria mais fome, sede, sono, cansaço, opinião, vontade, desejo ... eu evitava sair de casa, a não ser para trabalhar, para que ninguém me visse grávida; eu tirei pouquíssimas fotos grávida, tinha vergonha de me ver naquela situação. Não posso esconder o fato de que naquele momento eu odiei estar grávida. Foi péssimo, foi horrível, foi assustador. 

Eu engordei pouco na gestação, uma vez que eu já estava acima do peso antes da descoberta, engordei uns 11-13kg. 

Minha princesa nasceu e ali foi outro momento que a MINHA vida parou. Embora eu tenha me colocado numa total situação de submissão, antes eu tinha as “atenções” de todos na minha casa e, quando Sophia nasceu, aquele cuidado que tinham comigo, foram todos voltados para ela. Foram tempos horríveis e eu só pensava em sair dali e nunca mais voltar; chorava dia e noite, noite e dia. 

O tempo passou e nós, eu e Sophia, fomos morar com o papai. Ai Jesus, só de lembrar dá vontade de chorar horrores ... posso pular essa parte?!? Obrigada!

Minha mãe pediu para eu voltar a auxilia-la quando Sophia estava com quase sete meses de vida e eu vi ali a oportunidade de ver sol, chuva, pessoas diferentes ... aceitei. Foi o momento de colocar a princesa na escola para poder ter uma vida “normal”. Hoje agradeço a Deus porque vejo o desenvolvimento intelectual da Sophia por causa da escola, coisa que tenho certeza que não teria comigo em casa. 

Quando Sophia completou um ano, eu não sei o que aconteceu comigo, juro que não consigo me lembrar de nenhuma anormalidade, nenhum momento triste ou depressivo que me fizesse engordar tanto! Cheguei a pesar muito mais do que quando terminei a gestação. Virei um monstro ... tanto é que não tenho fotografia no período do primeiro ao segundo ano e meio de vida da princesa. As pouquíssimas fotos que tenho do meu casamento, estão numa pasta escondida no celular da minha irmã. Ali a MINHA vida parou mais uma vez. 

Eu não consegui me sentir bem! Eu não tinha roupa e morria de medo de alguém me perguntar se estava grávida. Usava uma calça de moletom e algumas camisetas enormes ... só de pensar naquela época meus olhos enchem de lágrima. A gente só escuta falar em “auto estima”, eu tinha baixo estima! Minha mãe me convidava para ir ao shopping dar uma volta e eu recusava, afinal, ir ao shopping passar vontade?! 

No final do ano passado, decidi que precisava emagrecer ... não porque a moda exige manequim 36/38 no máximo 40; não para ser admirada por ser mãe e ter corpo de miss. Decidi emagrecer o suficiente para ser feliz comigo mesma e recuperar a auto estima que sempre tive. 

O primeiro passo para MINHA vida caminhar foi decidir emagrecer mas entender e aceitar que muito dificilmente eu iria ter o corpo de antes de gestação. Fui para a academia e estourei meu joelho numa tentativa de ter um corpo magro. Estou esperando passar as festas e o verão para ser operada. Já que exercícios físicos não rolam, o jeito foi reeducar uma alimentação mal educada. 

Então que um ano depois aqui estou eu para confessar para vocês que não estou com o corpo dos meus sonhos, mas MINHA vida voltou a andar, voltou a correr, voltou a sentir o prazer e alegria de antes. Hoje eu posso dizer que estou feliz comigo mesma e, sinto que isso mudou muito meu relacionamento com meu marido e minha filha! 

Depois de quatro anos, hoje tenho prazer de andar no shopping; Depois de quatro anos, hoje entro em loja e provo roupas sem sofrer se estão apertadas, mas para isso já peço um tamanho “G”; Depois de quatro anos fui no shopping, entrei numa loja e comprei roupas que amo de paixão; Depois de quatro anos paro na frente do espelho e me maquilo com prazer, sem sofrimento! 

Por que digo “depois de quatro anos”?!? Porque hoje, vinte e nove de outubro de 2012, celebro quatro anos da descoberta da gravidez por um teste de farmácia. Há quatro anos MINHA vida parou e tomou tantos rumos diferentes dos que eu um dia sonhei, planejei, desejei e quis para a minha vida ... mas hoje dou graças a Deus por todos eles!


VEJA MAIS POSTS SOBRE

11 comentários

  1. Liiiiiiiinda!
    O importante é vc se amar, se admirar, se idolatrar, se apaixonar por vc mesma todos os dias.... O resto a vida encaminha pra dar certo!

    Qual o problema de se usar G? Eu emagreci 28kg, fiquei magra, mas como sou alta (1.79) e "grande" de osso, continuei usando G rsrsrs.

    O importante é vc se olhar no espelho e pagar o maior pau pra vc mesma, o tamanho da roupa pouco importa!

    Parabens pelos 4 anos, e o principql, pela sua evoluçao nesse tempo todo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Assim vc me mata de chorar... Lindo post, linda confissão!
    Parabéns!
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. que lindo post, adoro a maneira como vc escreve!

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Linda, saudades de vocês! Amei as fotos, suas lindas! Bjos!

    ResponderExcluir
  5. Adorei conhecer como as coisas aconteceram com vocês. O post ficou muito sincero e emocionante. Acho que todas temos que abrir mão de muitas coisas pelos filhos e, no início isso pode ser estranho, assustador. Mas depois a gente vê que vale a pena.


    Você está certa quando diz que precisava ficar bem com você porque isso é essencial. Não só pra você mas para os que estão ao seu lado.


    Pode acreditar flor: começou e não vai acabar, o tempo chegou e só vai melhorar!


    Bj, as fotos estão lindas!

    ResponderExcluir
  6. Para
    o mundo, vc pode ser mais uma pessoa, mas para uma pessoa vc pode ser o mundo
    dele.

    Tenha
    uma semana abençoada, filha do Senhor.

    Bju

    Toninha

    ResponderExcluir
  7. Simplesmente lindo o texto,lindo esse amor,lindo essa dedicação e declaração.

    Parabéns a mamãe Marcella Stelle e um viva \0/ para os 4 anos de vida de Sophia .

    Beijos lindas =D !!!

    ResponderExcluir
  8. Quanta sinceridade. Você é a nossa Marcella querida, que fala sem vergonha, ou problemas de expor o que sentiu e o que sente.
    Querida, que o Senhor a cada dia mais faça o teu coração transbordar de amor e alegria nEle. Que o teu marido e filha sintam-se sempre orgulhosos pela esposa e mãe que és.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Texto sincero e emocionante... Como diz o salmo que você citou: a alegria vem ao amanhecer. E o seu tempo de sorrir chegou! Como sabemos, é necessário que a semente morra para renascer, reviver, florescer e frutificar. esse processo é doloroso, mas Deus não nos dá nada além do que podemos suportar. E vc suportou e venceu! Parabéns! bjs Camila Vaz

    http://mundodepalavras.wordpress.com/2012/10/31/ele-chegou-e-ela/

    ResponderExcluir
  10. aiiiiiiiiii que lindo!!!!!!!
    chorando muiiiiiito!

    ResponderExcluir
  11. Como me identifico e me emociono com seus post's !!!! Lindo

    ResponderExcluir

Obrigada! Seu comentário é muito importante para o crescimento do blog. Para quaisquer dúvidas e sugestões, mande um email para contato@mamaedesalto.com

Beijos, Má

Importante

Importante

Seguidores

© MAMÃE DE SALTO - 2016. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.