Síndrome da Morte Súbita Infantil

08:30


Dias atrás fui surpreendida na página do blog Mamãe de Salto com uma mensagem de uma mãe buscando maiores informações para tentar entender o que acabara de acontecer na sua vida: perder um bebê recém nascido. Ela compartilhou comigo que há pouco mais de um mês seu filho faleceu e a causa mortis foi morte súbita infantil e ela disse que pouco conhecia sobre o assunto e que gostaria que eu pudesse ajuda-la a entender melhor e compartilhar com os leitores do blog sobre um assunto que é tão triste que pouco é divulgado.

A Adri me contou que amamentou seu filho de um mês de vida por volta das 03h, o fez arrotar e colocou ele para dormir em seu berço que ficava ao lado da cama do casal, por volta das 06h15 ela foi olhar o bebê que até aquele horário não havia acordado para uma nova mamada, o que era de costume e, ao se aproximar do berço viu seu filho já roxo, sem batimento cardíaco ... ele estava morto! Nenhum movimento, nenhum choro, nenhuma anormalidade chamou a atenção da mamãe, apenas o fato dele ainda não ter acordado ou chorado para mamar.

Eu confesso que tinha apenas conhecimento dessa “doença” quando pouco depois que Sophia nasceu uma campanha da Pastoral da Criança recomendava que bebê dormir de barriga para cima era mais seguro, o que contrariava tudo o que eu havia lido, ouvido e fazia: colocar sempre minha filha para dormir de lado.

Síndrome da Morte Súbita em Lactente dormir de barriga para cima é mais seguro
Reprodução Internet
Depois do pedido de socorro da Adri, corri atrás e fui pesquisar sobre o assunto.

A síndrome da morte súbita infantil, ou síndrome da morte súbita do lactente (também conhecida como "morte do berço" ou SIDS, da sigla em inglês de Sudden Infant Death Syndrome) não tem uma causa definida, especialistas dão esse nome quando a criança aparentemente saudável, geralmente menor de doze meses, morre sem explicação ou motivo aparente e é a maior causa de morte de crianças até esta idade.

A morte súbita é rara no primeiro mês de vida, aumenta um pouco entre 2 à 4 meses e cerca de 95% dos casos surgem antes dos 6 meses de idade. Acontece geralmente em casa, onde o bebê é encontrado sem vida no berço, carrinho ... ai que desespero!

É considerada morte súbita do lactente quando na necropsia não é diagnosticado nenhum motivo aparente (infecção, doenças genéticas, má formação, apnéia) ou por exclusão de outros fatores, por isso é considerada uma doença subdiagnosticada.

Acredita-se que alguns fatores predispõe a criança ao óbito, como:

= bebê que dormem de bruços ou de lado;
= consumo de álcool e drogas durante e após a gestação;
= falta de aleitamento materno;
= uso de colchões ou travesseiros muito moles e fofos;
= presença de brinquedos, travesseiros, rolinhos e outros objetos no berço que podem sufocar o bebê;
= nascimento prematuro ou bebês com baixo peso ao nascer.
= exposição ao cigarro durante a gestação e após ao nascimento;
= hipertermia e/ou hipotermia: crianças dormirem superaquecidas ou muito frias;
= evitar que a cabeça do recém-nascido fique coberta durante o sono.

A SIDS não tem aviso, não tem anormalidade ... acontece como a Adri relatou, tudo estava bem, seu bebê chorou no meio da noite, ela o pegou, amamentou, o fez arrotar e o colocou para dormir, quando foi pegar o bebê pela manhã, já estava morto ... ela disse apenas que colocava ele para dormir de lado, será que essa foi a causa da morte?! Não podemos saber.

A Pastoral da Criança dá algumas recomendações simples para evitar a síndrome de morte súbita infantil:

= Evitar o excesso de roupas e fraldas que possam dificultar os movimentos do bebê superaquecer seu corpo;
= Deixar os braços do bebê livres, para fora das cobertas, assim, evita-se que ele deslize na cama e fique com a cabeça embaixo das cobertas;
= A temperatura do quarto deve ser confortável para um adulto vestindo roupas leves. O bebê não deve parecer quente ao ser tocado.

Lembro que quando Sophia era pequenina me aconselharam no inverno vestir ela bastante ao invés de enchê-la de cobertas. Com mais idade soube que o é mais seguro recém nascidos dormirem no bebê conforto ao carrinho, por isso o acessório tem este nome, pois ele é realmente muitíssimo confortável.

Eu não conheço pessoalmente nenhum caso de morte do berço, e você?! Espero que esse post possa ajudar muitas grávidas a evitar essa tristeza que deve ser perder um bebê recém nascido.

Beijos e comenta,



VEJA MAIS POSTS SOBRE

6 comentários

  1. nossa q tristee.... q Deus conforte o coração dessa mãezinha :(

    ResponderExcluir
  2. Aii senhor!!! Que dor ao ler isso :(

    ResponderExcluir
  3. Meu filho nasceu prematuro e na UTI me avisaram que a posição mais segura para dormir era de barriga para cima. Quando cheguei em casa, fiz um rolinho para apoiar as pernas dele, comprei o travesseiro antirefluxo e ele dormia aconchegado no moisés, de barriga para cima e um pouco inclinado. Agora ele não cabe mais no moisés e foi para o berço. Confesso que tenho muito medo porque ele rola e acaba dormindo ou de lado ou de bruços. Esse tema sempre vai e volta na minha cabeça e é aterrorizante porque ele teve apnéia enquanto estava na uti e ficou roxinho assim, mas os aparelhos apitaram logo e ele voltou em segundos. Mas em casa não temos isso.
    Quase o perdi, nem posso imaginar o que a mãe do bebe esteja sofrendo, mas rezarei para que Deus a conforte muito.

    ResponderExcluir
  4. Que tristeza. Que Deus conforte o coração dessa família. Ótimo alerta. Lu
    www.soumaededoisanjinhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Que essas informações cheguem a muitas pessoas, palavras preciosas, esclarecedoras, obrigada mais uma vez pelo carinho! A tristeza nunca passa a lembrança é eterna, meu anjo Valentim *-*

    ResponderExcluir
  6. Ola infelizmente me aconteceu o mesmo com a minha filha á 3 semanas é muito triste 😭 mas infelizmente aconteçe

    ResponderExcluir

Obrigada! Seu comentário é muito importante para o crescimento do blog. Para quaisquer dúvidas e sugestões, mande um email para contato@mamaedesalto.com

Beijos, Má

Importante

Importante

Seguidores

© MAMÃE DE SALTO - 2016. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.