Mamãe na Direção

08:30

Olá, mamães, tudo bom!? Espero que sim!!

Quando eu era criança, tinha um super sonho: dirigir! Eu me imaginava como naquelas cenas de filmes americanos, guiando um carro conversível numa daquelas autoestradas sem limite de velocidade nem destino certo, apenas curtir o sol, cabelo ao vento e felicidade ... hahaha!

Sempre pedi para meu pai me ensinar a dirigir, mas ele falava que não tinha dom para ensinar e que eu iria aprender apenas na autoescola. Confesso que imaginava que, assim que completasse dezoito anos, ganharia pelo menos o curso para tirar carteira de motorista, porém isso não aconteceu. Estávamos vivendo tempos de vacas anoréxicas, então eu não fiz curso nenhum. Juntei dinheiro e, com vinte anos, paguei minhas próprias aulas de direção. Graças a Deus, passei de primeira em todas as provas do Detran e tirei minha tão sonhada habilitação para carro, afinal tenho medo de moto.

Nunca sonhei em ganhar um carro. Lembro que, logo que peguei a habilitação, comecei a procurar um fusca anos 1960 para comprar. Porém, fui surpreendida com a minha gravidez,e todos esses sonhos e planos foram mais do que esquecidos. Durante anos, vivi de co-pilota, pois não tinha segurança e não havia ninguém que me incentivasse e estimulasse a dirigir o carro do papis.

Depois de alguns anos de carteira sem a menor experiência decidimos trocar o nosso carro por um mais econômico e menor, o que facilitaria e me ajudaria a perder o medo e ganhar mais confiança na direção... era o que eu precisava para ser uma “nova mulher”!

A partir daquele momento, eu posso afirmar que meu relacionamento com a gatoca ficou muito maior e melhor. Sim, é verdade... afinal, começamos a passar mais tempo juntas dentro e fora de casa. Naquele momento, papis trabalhava aos sábados também, então criamos o “dia das meninas”. Saíamos pela manhã e voltávamos à noite, íamos ao parque, shopping, cinema... era muito divertido!

Achei que eu era a única a transformar momentos no carro em momentos únicos e divertidos, mas estava enganada. Para incentivar mais mamães a transformar a vida a bordo em algo divertido, a Renault criou o projeto Mãe na Direção, uma comunidade na rede social Facebook, que tem como objetivo compartilhar e ajudar famílias que passam um bom tempo em seus automóveis.


O Mãe na Direção está na sua terceira temporada, e eu recebi o agradável e honroso convite de participar dessa etapa e ajudar famílias compartilhando ideias, dilemas, aventuras e desventuras que apenas nós, mamães na direção, vivemos.

Acessem a comunidade Mãe na Direção *AQUI* e venha fazer parte dessa família!


Agora é colocar os cintos e pé na estrada!






VEJA MAIS POSTS SOBRE

5 comentários

  1. Olha que legal!!!!!
    Acabei de me inscrever...

    ResponderExcluir
  2. AMO dirigir!!! E assim como você esperava ansiosa pelos 18 anos pra aprender a dirigir. Comecei a fazer a auto escola, mas parei pq não tinha carro, rsrsrs, e achava que sem carro ñ havia o menor sentido eu ter a carteira. Parei.

    Com 20 anos eu me casei e meu marido tinha carro. Ele ia trabalhar, o carro ficava na garagem do prédio me olhando e eu olhando pra ele. Tomei vergonha, voltei pra auto escola e pronto, lá se vão 11 anos de direção! Não consigo me imaginar sem meu direito de ir e vir, rsrsrsrs. AMO dirigir!!!

    ResponderExcluir
  3. Olha q máximo... tb já sonhei em dirigir como nos filmes, mas ainda não tomei coragem pra me inscrever na aula e tirar minha carteira... vou lá conferir o site e quero ler mais experiências de mães na direção, bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi Má, parabéns por estar na campanha da Renault. Eu parei de dirigir depois que tive as minhas filhas, mas aproveito os momentos no carro para estar com elas, conversar, brincar, etc.
    beijos
    CHris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com

    ResponderExcluir

Obrigada! Seu comentário é muito importante para o crescimento do blog. Para quaisquer dúvidas e sugestões, mande um email para contato@mamaedesalto.com

Beijos, Má

Importante

Importante

Seguidores

© MAMÃE DE SALTO - 2016. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.